quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Coro de Escarninho e Lamentação

Ainda a "Antologia de Poesia Erótica e Satírica" com um excerto da participação de Luiz Pacheco, condenado, tal como Ary dos Santos, Melo e Castro e Cesariny, a 45 dias de prisão substituíveis por multa. Natália Correia e Fernando Ribeiro de Mello, responsáveis pela edição, tiveram direito ao dobro, 90 dias de prisão substituíveis por multa. O processo arrastou-se por quatro anos.

"Inédito

CORO DE ESCARNINHO E LAMENTAÇÃO
dos cornudos em volta de S. Pedro
Coplas dedicadas às fogosas e vampirescas mulheres da Beira, de quem já Abel botelho disse o que disse.

MONÓLOGO DO 1º CORNUDO

I
Acordei num triste dia
Com uns cornos bem bonitos.
E perguntei à Maria
Por que me pôs os palitos.

II
Jurou por alma da mãe
Com mil tretas de mulher
Que era mentira. Também
Inda me custava a crer...

III
Fiquei de olho espevitado
Que o calado é o melhor
E para não re-ser enganado,
Redobrei gozos de amor.

IV
Tais canseiras dei ao físico,
Tal ardor puz nos abraços
Que caí morto de tísico
Como o sexo em pedaços!

V
Esperava por isto a magana?
Já previa o que se deu?...
Do Além vi-a na cama
Com um tipo pior que eu!

VI
Vi-o dar ao rabo a valer
Fornicando a preceito...
Sabia daquele mister
Que puxa muito do peito.

VII
Foi a hora de me eu rir
Que a vingança tem seus quês:
“O mais certo é práqui vir,
Inda antes que passe um mês”.

VIII
Arranjei-lhe um bom lugar
Na pensão de Mestre Pedro
(Onde todos vão parar
Embora com muito medo...)

IX
Passava duma semana
O meu dito estava escrito
Vítima daquela magana
Pobre tísico, tadito!

DUETO DOS 2 CORNUDOS

X
Agora já somos dois
A espreitar de cá de cima
Calados como dois bois
Vendo o que fez a ladina

XI
Meteu na cama mais gente
Um, dois, três... logo a seguir!
Não há piça que a contente
É tudo o que tiver de vir!

(...)

Luiz Pacheco
num dia em que se achou mais pachorrento
"

Sem comentários:

Publicar um comentário